sábado, 21 de dezembro de 2013

Podolatria - Um ensaio.

Difícil para fazer poesia,
gosto tanto e não sei expressar,
É uma forma diferente de se excitar,
Podo,
idolatria, 
Momento dos pés adorar. 


Quanta excitação, 

massagens vem e vão, 
seus beijos e algumas lambidinhas em meus pés são tão prazerosas,
não  pára, não!
Quem te ordenou parar? 


Continue aos meus pés, 

ainda está ajoelhado? 
Deite-se, 
quero você de tapete. 


Meu tapete macio, 

não resisto aos seus carinhos e à sua devoção, 
Quero um trampling agora e dançar em cima do seu peito. 
Meus pés passeando pelo seu sexo, 
pelo seu rosto. 


Por que haveria de ter dó? 

Não mesmo!
Está aqui para me servir, esqueceu? 
Hummm....sua face expressando a dor e o prazer me diverte. 


Vem, tapete, quero que me sirva, 

essa noite promete!



domingo, 8 de dezembro de 2013

Tempos Virtuais

Bem vindo ao mundo novo,


Ao século XXI,


Ao chip novo,


No virtual, você se distrai, ri, chora, se excita e se diverte.


Te aproxima e você sente tanta intensidade que, por um lapso de tempo, da distância se esquece...

Seja bem vindo ao lugar onde você se expõe, mas fica incógnita. 

Onde há de tudo um pouco, do santo ao hipócrita. 

Contudo, ao final, cansado da luz do monitor, lá vai o vivente desligar o seu pc, 

e se pergunta, já se sentindo solitário, 

"e meu abraço afetuoso cadê? ".

Aos leitores e aos fetichistas , eu agradeço

Ao  começar  a  caminhada  nos  mundo  dos fetiches,  ficava um tanto  maravilhada,  em um frenesi, queria (e  continuo desejando) conhecer  pessoas  e  buscar  saber  quais  eram  minhas  afinidades.

Hoje, vislumbro  as  práticas  que  eu  sinto  prazer, sinto-me  mais  tranquila, me vejo  querendo  aprender  mais.

Sou grata  a cada  pessoa que  passou  pelo meu  caminho, que me  deu  um conselho, que  me  orientou, que  me  deu  toco (kkkkk...como não  cita-los? Quebrar  a cara faz  parte, ne?)

Agora, quero agradecer com  todo  carinho  aos  amigos,

a vocês, leitores e aos que comentaram seja por aqui, email e facebook.  Muito obrigada!  

Aproveito a ocasião para agradecer aos submissos  que  confiaram em mim, não  só pra  fetiche, mas  para  abrir  o coração, expondo pra  mim suas alegrias e angústias.

Muito  obrigada a todos vocês por  me concederem esse  privilégio.

Sintam  todos  abraçados  longamente.

Prefiro  não  citar nomes  pra  não  ser  injusta. Apenas  quero  agradecer  de  coração.

Que a paz  que excede a  todo entendimento  esteja  sempre  com vocês.

(isso não é despedida, não, hein? Ser grato nunca é demais, certo?)