quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Reflexoes de uma Fetichista: Títulos e Pronomes do BDSM ou Liberdade para dentro da cabeça?

Tenho um perfil uma rede social voltada para fetichistas e pessoas que curtem BDSM. 
Como surgiu um novo fetiche na minha cabeça, resolvi tirar do meu nick o "Senhora". Não entendo muito bem a razão, mas logo recebi um questionamento em tom de surpresa: "Porque a Senhora mudou o nick?"  

Com base nessa pergunta, vou falar o que penso neste momento sobre Pronomes de Tratamento e Títulos no Bondage/Disciplina/ Dominação /Submissão/SadoMasoquismo (BDSM).

Neste mês de setembro, fiz 1 aninho no meu cortejo ao mundo dos fetiches e ao BDSM.  Se eu disser que considero BDSM estilo de vida, não vou estar sendo sincera.  Considero fetichismo de modo geral minha válvula de escape, gosto do ar de "subversão a ordem" que transmite,

Nesse 1 aninho, vi que tenho muito ainda a aprender sobre o universo fetichista, pois há coisas para mim que são limites e há outras que simplesmente não entendo. Mas uma coisa eu tenho aprendido: a olhar com menos julgamento possível, me esforçar para conhecer a pessoa, conhecer o seu fetiche. Enfim, deixa esse papo para um outro texto, quando a inspiração aparecer.

O fato, gente amiga, é que o tempo passa, me vejo apenas como fetichista, alguém que curte muitos fetiches, muitos deles relacionados à Dominação Feminina, mas o fato de ser curiosa, do desejo de saborear a liberdade, de ser uma caminhante neste mundo (não só dos fetiches) e de em alguns aspectos SER e de em muitos outros ESTAR, me fez agora colocar simplesmente um apelido sem títulos ou pronomes.
Sim, quero experimentar fetiches novos. Isso me fará melhor ou pior? Menos "lady, rainha,  deusa,  domme" ( e mais outros tantos títulos que existem)?  Eu tenho certeza que não.
A realidade é que quero dançar conforme a música que me atrai e, quem me conhece pessoalmente, sabe o quanto gosto de música e de dançar. Isso SOU EU.
Quanto aos títulos e pronomes pessoais de tratamento, véi, na boa, irei expor minha humilde (digo, humilde sem deboche mesmo, tá?):
Vejo que são as ações, as atitudes, a essência que mostrará a nobreza de alguém, isso não significa ser perfeito nem santo. 
É a nobreza de dentro para fora a mais importante, que está acima de qualquer título ou pronome pessoal de tratamento.
Do que adianta ser Rei e não ter um bom caráter?
É a nobreza interior que dará corpo ao título, se assim a pessoa desejar colocar algum.
No final, suas ações gritarão mais que seu título antes do nome ou do nick , não acham?

A não ser que queira legitimidade a partir do uso e abuso da força e do medo...bem...mas aí é outra história e, quem sabe, um outro texto.
Termino esse texto com alguns ditos edificantes ao meu ver:
- Não julgue para não ser julgado, afinal telhado de vidro todo mundo tem. 
 - É a partir do fruto que se conhece a árvore.

Menos títulos e mais caráter! 
Obs.
Por gentileza, aos que se focam em títulos e currículos de "x anos de BDSM" para mostrar que é  melhor que os outros, ao invés de buscar conhecer a minha pessoa, por favor, "me deixe aqui, pode sair, ADEUS !"
Porque "Eu só quero saber do que pode dar certo e não tenho tempo a perder".
Valeu, galera!
Beijos nas crianças!

O entorpecimento continua...

Fast  food
Sacia, mas  não  alimenta nem  dá  os  nutrientes  necessários  para  a vida.
Que  vida  estranha!

Fast Love
Sacia momentaneamente, mas  não  alimenta  a  alma,  depois  que o  corpo  esfriar  e   de ouvir um   "até  algum  dia".
Que  vida  estranha!

A  moda  é  pra  ontem! 
Tudo  é  urgente!
Não  nos  conhecemos  nem  você  conhece  a  gente!
Caminhamos  no  deserto,
Com a cabeça  no  oásis  de  miragens.

Touch me,
Satisfaction!
I'm too sexy!
Come  on,  guy!
Little conversation,
Satisfaction!

Vou provocar desejos lascivos em você,
Vou  ficar  dançando  até  o  chão,
É isso nos faz entorpecer,
Eu  bato em  você,
E você bate  uma.

A realidade é dura  demais,
Olhar  nos  olhos?
Hã?!
What is this fucking question, guy?!

Deixe-me  assim,
Eu  imagino, fantasio, me visto, me  transformo,
A vida  lá fora  está  entediante demais.
Sirva-me mais  uma taça de vinho,
Mais um Martini!

Vai, me faça delirar,
na sua dança provocativa e libidinosa, só nos movimentos  pélvicos
É apenas isso que sabe  fazer?
Touch me!
Satisfaction!

Eu sangrei sozinha,
Pra suportar  a dor
E esquecer.

E aí, tem  facebook ?
E quando  vai  ter tempo para ficar face to face  e  pegar  em um  book?
Sinceramente, tenho mesmo é  vontade de dar  um grito e  mandar  absolutamente tudo  para o inferno.
Contudo, enquanto não faço,  pelejo escrevendo  no  deserto, me  entorpecendo  e  guerreando com esse maldito  teclado touchscreen.