sexta-feira, 31 de maio de 2013

Relacionamento e Querer bem (em meio ao contexto Fetichista)

Não vou falar em Amor, porque há muitas definições, cada um considera de forma diferente. Eu tenho as minhas referências, mas prefiro apenas dizer  "querer bem". 

Hoje, falei com um moço querido por mim, que conheci aqui numa rede social. Temos amizade, brincamos, zuamos muito um com o outro. Alias, foi através de nossas conversas, especialmente nas brincadeiras, que percebi que ele não é exatamente submisso e sim Switcher, aquele que gosta de dominar e de ser dominado. Porém, isso não o torna para mim nem melhor nem pior. Ele é único, que figuraça! Adoro ouvir sua risada!


Não demorou muito tempo para ele me chamar de "Minha Dona", de "Dominna" (meu antigo nick).  Adoro ouvi-lo me chamar assim, pois não é algo automático ou uma espécie de "etiqueta BDSM / Fetichista".  


Porém, tenho os pés no chão e por mais que goste de ouvi-lo me chamar assim, sei que na prática não conseguiria ser sua Dona Companheira de fato, por mais desejo que ambos tivessem, pelo simples fato que moramos distantes um do outro. 


Não tem jeito, querido (a) leitor (a), relacionamento é via de mão dupla, é ambos estarem dispostos, comprometidos em dar certo (até quando? Não sei! -  "que seja eterno enquanto dure").  


Relacionamento é diálogo, é rir e chorar, abraçar (sim! eu gosto de abraçar, aconchegar, alguns me chamam de Felícia, desenho animado da Disney). 


Relacionamento é compartilhar. Mas como compartilhar a distância?


Mas uma coisa eu tenho como certa: o meu bem querer. 


Hoje, conversando com este amigo, ele me falou do desejo dele em colocar o lado DOM dele para fora, do contato com uma submissa e ver no que vai dar. Mas ele estava preocupado com a nossa amizade e com a parte dele submissa, que me elegeu como Dona. 


Ahh...não vou negar ao ouvir tudo isso que, por alguns instantes, meu coração ficou com ciumes e triste. 


Mas eu o quero bem! É isso que importa! Desejo que ele seja feliz, realizado! 

Então, foi espantar os sentimentos negativos e dizer: 

Vai...


Não é ir porque estou dispensando uma amizade, 

Não é ir porque não o quero mais como submisso. 

É simplesmente: 


Vai ser feliz! 


Porque sempre estive com os pés no chão e desejo o melhor. 


Querer bem é deixar o outro livre para seguir seu caminho, sem colocar nenhum peso na consciência do outro...nada de chantagem emocional! 


Querer bem foi deixar claro que a amizade continua firme e forte!


Querer bem é torcer pelo outro. 



(putz...para tudo há uma primeira vez...até para escrever tudo isso com lágrimas...c´est la vie). 


quinta-feira, 23 de maio de 2013

Pecado


Tenho estado com uma vontade intensa de chicotear...
....e também fazer uma pequena experiencia:  chicotear com um chicote em cada mão. Depois, usar um chicote longo trancado. Ouvindo uma musica deliciosa de fundo.

Bem egoista, confesso, ficar me deliciando no prazer de chicotear. Ahhh...como queria  alguem que nao tivesse nenhuma restriçao em ser chicoteado!
Alguém que aceitasse, desejasse ter sua pele marcada, com uma recordacao do meu prazer.

Hoje, me falaram de juizo, porem eu quero perde-lo e apenas ter bom senso e o prazer.

Ai, como me excito ao bater, como me desmancho em tesao no spanking e como seria maior o meu prazer em saber que esse homem também sente-se inebriado em sentir sua pele ardida e só com isso se importar..

Nao quero juizo essa noite. Dispenso!

Quero chicote, dar tapas, arranhoes, mordidas, beijos longos, ver a pele dele de palida ficar vermelha, ...me tornar uma pintora de uma arte abstrata talvez .....

....deixando meus riscos e rabiscos numa pele masculina, ver o corpo dele reagir entre fugir e ficar.....delicia...e ouvir "me morde, Leoa"....ai, como quero!

Sim, peça, mais do que pedir, implore pela minha mordida...

hummmmmm.....

Raios!

Mas nada disso eu tenho!

Frustação!

A mente navegar nesse desejo sem juizo, nada recatado e nao poder concretiza-lo...

quer saber?

isso é mais do que frustração, já é pecado!