sábado, 21 de dezembro de 2013

Podolatria - Um ensaio.

Difícil para fazer poesia,
gosto tanto e não sei expressar,
É uma forma diferente de se excitar,
Podo,
idolatria, 
Momento dos pés adorar. 


Quanta excitação, 

massagens vem e vão, 
seus beijos e algumas lambidinhas em meus pés são tão prazerosas,
não  pára, não!
Quem te ordenou parar? 


Continue aos meus pés, 

ainda está ajoelhado? 
Deite-se, 
quero você de tapete. 


Meu tapete macio, 

não resisto aos seus carinhos e à sua devoção, 
Quero um trampling agora e dançar em cima do seu peito. 
Meus pés passeando pelo seu sexo, 
pelo seu rosto. 


Por que haveria de ter dó? 

Não mesmo!
Está aqui para me servir, esqueceu? 
Hummm....sua face expressando a dor e o prazer me diverte. 


Vem, tapete, quero que me sirva, 

essa noite promete!



domingo, 8 de dezembro de 2013

Tempos Virtuais

Bem vindo ao mundo novo,


Ao século XXI,


Ao chip novo,


No virtual, você se distrai, ri, chora, se excita e se diverte.


Te aproxima e você sente tanta intensidade que, por um lapso de tempo, da distância se esquece...

Seja bem vindo ao lugar onde você se expõe, mas fica incógnita. 

Onde há de tudo um pouco, do santo ao hipócrita. 

Contudo, ao final, cansado da luz do monitor, lá vai o vivente desligar o seu pc, 

e se pergunta, já se sentindo solitário, 

"e meu abraço afetuoso cadê? ".

Aos leitores e aos fetichistas , eu agradeço

Ao  começar  a  caminhada  nos  mundo  dos fetiches,  ficava um tanto  maravilhada,  em um frenesi, queria (e  continuo desejando) conhecer  pessoas  e  buscar  saber  quais  eram  minhas  afinidades.

Hoje, vislumbro  as  práticas  que  eu  sinto  prazer, sinto-me  mais  tranquila, me vejo  querendo  aprender  mais.

Sou grata  a cada  pessoa que  passou  pelo meu  caminho, que me  deu  um conselho, que  me  orientou, que  me  deu  toco (kkkkk...como não  cita-los? Quebrar  a cara faz  parte, ne?)

Agora, quero agradecer com  todo  carinho  aos  amigos,

a vocês, leitores e aos que comentaram seja por aqui, email e facebook.  Muito obrigada!  

Aproveito a ocasião para agradecer aos submissos  que  confiaram em mim, não  só pra  fetiche, mas  para  abrir  o coração, expondo pra  mim suas alegrias e angústias.

Muito  obrigada a todos vocês por  me concederem esse  privilégio.

Sintam  todos  abraçados  longamente.

Prefiro  não  citar nomes  pra  não  ser  injusta. Apenas  quero  agradecer  de  coração.

Que a paz  que excede a  todo entendimento  esteja  sempre  com vocês.

(isso não é despedida, não, hein? Ser grato nunca é demais, certo?)

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Peça (Jogos de Palavras com a Liturgia Fetichista)

Não fique calado,
Nem precisa implorar,
Peça!

Ande!
O  que está esperando, peça?
Peça o  que você quiser,
Pedinte,
Pidão,
Rasteja o  sem noção,
Louco  em desvario,
Febril  em seus desejos.

Quer  pedir, peça?
Peça o  que  quiser, já falei.
Solte, se expresse,
No seu  estado febril não enxerga nada  que  não seja o  seu  próprio umbigo.

Hahahahahaha
Peça!
Não implore, peça.

Pedinte, entenda, pode  pedir  o  que  quiser nessa vida,
Até  mesmo  para  que venha a cura da sua submissão,
Mas só não peça para  realizar seus sonhos, fetiches e delírios, pois não está em você esse poder de decisão.

Hahahahahahah
( risos sádicos)

Sua peça!

(Dedico a um parceiro  de caminhada experiente que  me  explicou  sobre  o sentido de "peça").

Sem assunto

Fim  de  domingo,
Fim de férias,
E  uma sensação de ressaca começa a surgir.
Sinto um aperto  no  peito.
Uma droga  de angústia.
Como é  difícil  verbalizar  o  que  sente!
Parto.
Sim, parturiando palavras.

Algo vem à  cabeça na confusão
Surge o desejo de dividir 
Preciso compartilhar  o  que vem na  mente sem muita exatidão, 
Eis que  digo:

Você não  precisa exatamente me entender,
Só te peço que  se pergunte uma única  vez:  aonde estão suas brechas?
A resposta guarde pra  você, não  fale!
Onde está o seu desejo?
Sei  que há muitos convites por aí,
Sempre houve alguém  pra matar, roubar e destruir.

Convites fascinantes, encantadores..
Seu  olho  brilha, não é?
Não fique entorpecido  por  onde caminha.
Os barulhos  que  você ouve fazem justamente o seu  papel
Distrair você.
Cuidado!

Pois a ilusão, amigo, não mora ao lado,
Mora dentro de você.

(Assim como quem não quer  nada, sorrateiramente, essa mensagem se desmanchará, pois já terá cumprido seu papel, provocar  você....
....obrigada pelo atenção...)

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Ao meu schiavo: A submissão que me cativou

Vontade de ter você aos meus pés de novo,
me chamando de minha Senhora,
me pedindo permissão para chegar perto de mim...
saudades de ti, schiavo
das 24 horas de servidão.

Ver você se ajoelhar sem receio nenhum,
totalmente à vontade e entregue,
entregue aos meus desejos insanos para alguns,
mas para nós é prazer...

Eu no sofá e você a me servir um Martini gelado de joelho e de forma reverente como deve ser,
Prontamente, meu querido schiavo prepara nossa refeição,
buscando saber os meus gostos e me agradar ao máximo.

Massagens e beijos e meus pés,
Como é delicioso ouvir você a me chamar:
"Minha Senhora, Bouno Giorno, Padrona"

Meu querido schiavo,
sabe bem que há um querer bruto em mim,
que chicoteio e sinto prazer em ver sua pele ficar rubra,
que derramo lentamente em seu corpo pingos de velas e sinto prazer em ouvir alguns seus ais,
que sinto prazer em te privar por alguns instantes de alguns sentidos,
oh, silver tape bendito!
delicia de algemas...
Apesar deste prazer bruto,
sabe que gosto de você, o quanto me importo e me preocupo contigo.


Desejo mais outras 24 horas com você me servindo,
Querido, o que posso dizer?
Simplesmente sua submissão me cativou.
Desejo que se descubra ainda mais submisso aos meus desejos,
Desejo que se entregue a mim...
que fique aos meus pés e
Enquanto for assim, a coleira que porta continuará sendo sua...

Não se esqueça de quem sou e do que te exijo:
Honre a coleira que está em você.








quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Reflexoes de uma Fetichista: Títulos e Pronomes do BDSM ou Liberdade para dentro da cabeça?

Tenho um perfil uma rede social voltada para fetichistas e pessoas que curtem BDSM. 
Como surgiu um novo fetiche na minha cabeça, resolvi tirar do meu nick o "Senhora". Não entendo muito bem a razão, mas logo recebi um questionamento em tom de surpresa: "Porque a Senhora mudou o nick?"  

Com base nessa pergunta, vou falar o que penso neste momento sobre Pronomes de Tratamento e Títulos no Bondage/Disciplina/ Dominação /Submissão/SadoMasoquismo (BDSM).

Neste mês de setembro, fiz 1 aninho no meu cortejo ao mundo dos fetiches e ao BDSM.  Se eu disser que considero BDSM estilo de vida, não vou estar sendo sincera.  Considero fetichismo de modo geral minha válvula de escape, gosto do ar de "subversão a ordem" que transmite,

Nesse 1 aninho, vi que tenho muito ainda a aprender sobre o universo fetichista, pois há coisas para mim que são limites e há outras que simplesmente não entendo. Mas uma coisa eu tenho aprendido: a olhar com menos julgamento possível, me esforçar para conhecer a pessoa, conhecer o seu fetiche. Enfim, deixa esse papo para um outro texto, quando a inspiração aparecer.

O fato, gente amiga, é que o tempo passa, me vejo apenas como fetichista, alguém que curte muitos fetiches, muitos deles relacionados à Dominação Feminina, mas o fato de ser curiosa, do desejo de saborear a liberdade, de ser uma caminhante neste mundo (não só dos fetiches) e de em alguns aspectos SER e de em muitos outros ESTAR, me fez agora colocar simplesmente um apelido sem títulos ou pronomes.
Sim, quero experimentar fetiches novos. Isso me fará melhor ou pior? Menos "lady, rainha,  deusa,  domme" ( e mais outros tantos títulos que existem)?  Eu tenho certeza que não.
A realidade é que quero dançar conforme a música que me atrai e, quem me conhece pessoalmente, sabe o quanto gosto de música e de dançar. Isso SOU EU.
Quanto aos títulos e pronomes pessoais de tratamento, véi, na boa, irei expor minha humilde (digo, humilde sem deboche mesmo, tá?):
Vejo que são as ações, as atitudes, a essência que mostrará a nobreza de alguém, isso não significa ser perfeito nem santo. 
É a nobreza de dentro para fora a mais importante, que está acima de qualquer título ou pronome pessoal de tratamento.
Do que adianta ser Rei e não ter um bom caráter?
É a nobreza interior que dará corpo ao título, se assim a pessoa desejar colocar algum.
No final, suas ações gritarão mais que seu título antes do nome ou do nick , não acham?

A não ser que queira legitimidade a partir do uso e abuso da força e do medo...bem...mas aí é outra história e, quem sabe, um outro texto.
Termino esse texto com alguns ditos edificantes ao meu ver:
- Não julgue para não ser julgado, afinal telhado de vidro todo mundo tem. 
 - É a partir do fruto que se conhece a árvore.

Menos títulos e mais caráter! 
Obs.
Por gentileza, aos que se focam em títulos e currículos de "x anos de BDSM" para mostrar que é  melhor que os outros, ao invés de buscar conhecer a minha pessoa, por favor, "me deixe aqui, pode sair, ADEUS !"
Porque "Eu só quero saber do que pode dar certo e não tenho tempo a perder".
Valeu, galera!
Beijos nas crianças!

O entorpecimento continua...

Fast  food
Sacia, mas  não  alimenta nem  dá  os  nutrientes  necessários  para  a vida.
Que  vida  estranha!

Fast Love
Sacia momentaneamente, mas  não  alimenta  a  alma,  depois  que o  corpo  esfriar  e   de ouvir um   "até  algum  dia".
Que  vida  estranha!

A  moda  é  pra  ontem! 
Tudo  é  urgente!
Não  nos  conhecemos  nem  você  conhece  a  gente!
Caminhamos  no  deserto,
Com a cabeça  no  oásis  de  miragens.

Touch me,
Satisfaction!
I'm too sexy!
Come  on,  guy!
Little conversation,
Satisfaction!

Vou provocar desejos lascivos em você,
Vou  ficar  dançando  até  o  chão,
É isso nos faz entorpecer,
Eu  bato em  você,
E você bate  uma.

A realidade é dura  demais,
Olhar  nos  olhos?
Hã?!
What is this fucking question, guy?!

Deixe-me  assim,
Eu  imagino, fantasio, me visto, me  transformo,
A vida  lá fora  está  entediante demais.
Sirva-me mais  uma taça de vinho,
Mais um Martini!

Vai, me faça delirar,
na sua dança provocativa e libidinosa, só nos movimentos  pélvicos
É apenas isso que sabe  fazer?
Touch me!
Satisfaction!

Eu sangrei sozinha,
Pra suportar  a dor
E esquecer.

E aí, tem  facebook ?
E quando  vai  ter tempo para ficar face to face  e  pegar  em um  book?
Sinceramente, tenho mesmo é  vontade de dar  um grito e  mandar  absolutamente tudo  para o inferno.
Contudo, enquanto não faço,  pelejo escrevendo  no  deserto, me  entorpecendo  e  guerreando com esse maldito  teclado touchscreen.

domingo, 11 de agosto de 2013

NÃO!

Prefiro ficar na contramão, 
prefiro colocar meus músculos à toda prova, nadando contra o curso imposto pelo rio. 
Prefiro viver plenamente!
Quero sofrer por gostar, por amar, pelo que posso viver e não pelo que poderia ser.

Quero ter o sabor de gostar de alguém.
Não quero regras pré-estabelecidas e muralhas. 

Quero diálogo franco, mente aberta e a confiança construída com o tempo. 

Larguem essas carapaças!

Larguem essas armaduras!

Não entendem que dor e amor rimam sim?!

Até quando irão preferir o xarope sabor framboesa, por se recusar a sentir o verdadeiro, real e amargo gosto do remédio?

Até quando ficarão em cima do muro?

Por que tanto medo do desconhecido?

Até quando suportarão ficar na morna zona de conforto, quando a Vida concreta e cotidiana oferece o quente, o frio e também sacrifícios? 

Até quando preferirão ficar à beira a se jogar? 

Até aonde irão com essa dor do não vivido, com a dor do que poderia ser? 

Coragem! 

Arrisquem-se!

Não temam tanto os espinhos...sinto em dizer que eles existem sim, apesar de vocês só aceitarem as rosas antinatural, as sem espinhos!

Não se iludam! Sigam em frente!

Eu lhes digo: até  os espinhosos sofrimentos são temporários. 

Só dependem de vocês!

O que fizeram com a disponibilidade de viver intensamente? 

Por que não se dão mais a oportunidade de amar? 

Declaro que me recuso a ficar à beira!

Vejam, meus olhos estão marejados agora pelo afeto, pelo carinho que se foi, mas sei que essa tristeza passará, marcharei em frente. 


E quando tudo for nuvens densas e trevas, até recuarei se for preciso, mas quem disse que irei desisti? 

Não, apenas será um momento de luto, porém não será uma fuga. 

Afinal, o mundo está lá fora!

fora da minha zona de conforto, da minha área de abrangência do meu entendimento. 

Quero ousar! 

Dizer NÃO!

Não quero ficar à beira, já disse! 
me jogarei de "bang jump" e viver intensamente com todos os débitos e créditos do que me proponho a me expor. 

O que mais me importa é viver de forma plena o afeto mútuo. 

Eu digo: eu tenho fome de afeto!

Qual a fome de vocês? 

Eu ficarei apenas rogando para que o sentimento que nos une seja verdadeiro e seja bom para ambos. 


Considero que se eu escolher ficar à margem, se assim me posicionar estarei sendo egoísta, estranha, esquisita e, consequentemente, não seria protagonista da minha própria história, pois teria dado ao sofrimento e ao outrem, que contribuiu para o meu ferimento, o direito de direcionar a minha vida. 

Enfim....

NÃO! NÃO! NÃO!

Direi isso até o último fôlego de vida! 












Divagações e Imaginação sobre Cuckold e D/s - Um primeiro olhar

Ao responder sobre um tópico numa rede social sobre esse fetiche pouco falado e até para muitos desconfortável, resolvi compartilhar aqui o que penso sobre esse assunto.

"Cuckold" numa tradução literal da palavra significa ser corno. A diferença entre ser o "corno" que todos nos remetemos e o "corno" do Cuckold está em uma palavra: traição.  No primeiro sentido, o corno nada sabe sobre a infidelidade do parceiro. Silêncio, mentiras, omissões. Tudo isso faz parte da "cornitude" conforme conhecemos.  Isso serve para ambos os lados, vindo tanto de homens quanto de mulheres. Comento isso como uma forma de não querer fazer nenhuma defesa nem para o homem nem para a mulher sobre traição.

Mas, e no caso do "Cuckold"? 

Na internet, percebi que há homens que sentem prazer em serem traídos e, claro, mulheres que gostam de trair. Contudo, há entre o casal um tom de consensualidade nessa traição.  Logo, me pergunto: há neste caso a traição?  Ou simplesmente, é uma forma de viver o relacionamento, a sexualidade de forma diferente do convencional?

Ao meu ver,  talvez a melhor coisa a ser feita é simplesmente não julgar quem curte.  Acredito que o mais importante, independente de haver "cuckold" , sadomasoquismo, swing ou qualquer outra fantasia na vida de um casal, seja uma base sólida de confiança, diálogo, capacidade (ou disponibilidade?) de ouvir o outro, negociar, respeito aos sentimentos do outro.

Meu primeiro olhar sobre esse assunto, enquanto fetiche, e relacionando-o ao BDSM, mais especificamente numa relação de Dominação / submissão, sinto em uma certa curiosidade, mas não significa que tenha disposição neste momento de realizar.

E divagando nessa interseção sobre os dois assuntos, fiquei me imaginando numa situação "cuckold" e D/s, algo assim:


Imagino o companheiro como um homem bem submisso, resignado a suportar a possibilidade de não sei quando simplesmente realize o fetiche....apenas dizer vou me encontrar com fulano e me leve até e ele e tal horas venha me buscar. Algo assim....se vai ver ou saber o que vou fazer com fulano é algo que EU decido.

Que esse meu parceiro e cúmplice se alegre em saber que gosto da minha liberdade e de que o fetiche será realizado, mas que seja conformado em saber da sua condição. Não iria querer exposições, fotos, filmagens como vejo em sites ou blogs.
Viveria isso a dois e na discrição.

 Ao meu parceiro cuckold, que  antes de qualquer "fugidinha" minha, haja entre nós cumplicidade, lealdade, diálogo.

Concordou em estar nessa condição?
Então, apenas viva!
Que suporte a angústia e a excitação das perguntas rondando sua mente, tais como:

"será que ela vai me "trair"?

"será que ela me permitirá banhá-la ao chegar em casa com seu corpo saciado pelo outro?"

"Ela me permitirá sentir os cheiros resultantes do encontro furtivo?"
" Será?... Será?...será? "

Assim, absorto entre a tortura mental e a excitação meu companheiro cuckold ficaria.  Dele exigiria sua devota dedicação a mim. Ele por fim, resignado a sua condição, apenas diz:

"Senhora, Domina, amo-te e te pertenço".

Enfim, é assim que imagino...
Aliás minha imaginação pra isso e outros assuntos andam pra lá de Marrakesh.

(aos que entendem mais sobre esse assunto e até da interface entre D/s e cuckcold, convido a comentar sobre o assunto...um abraço de ursa!).

domingo, 4 de agosto de 2013

Avante!

Avante! 
Saia de sua zona de conforto e lute!
Avante e me conquiste, 
porque nessa vida só temos um dia que se chama HOJE

domingo, 21 de julho de 2013

Vinhos, Rabiscos, Gemidos e Descobertas

Convite insistente surgiu,
valeu a persistência mon amour,
que noite boa!
Filme SM, muito bate papo, afinidade
liberdade!
clima bem propício para me conhecer.

Vinho tinto bem gelado ao meu gosto...
e do jeito que eu gosto:  não resisto e te provoco!
Adorei!

Doce e indomável SW,
Descobri que você também é DOM...
Gift!
Olhar, voz de comando..
senti mui brevemente o "peso" da sua mão.

Mas não adianta, sou Senhora!
a leoa vem, ruge, aflora! 
leoa expressa quem a cena comanda muito, mas muito mais que uma hora!

A noite era minha!
Estreia de novo chicote que há alguns dias atrás havia comprado de um Lord.
Que prazer fazer rabiscos,
prazeroso transformar sem pressa a sua pele alva em rubra.
"ai, ai, ai, ai" - geme de dor e de prazer.
seu corpo bailando entre o ficar e o fugir.

Descobertas!
Você me apresenta um outro chicote: o de cavalaria!
manejos em suas ancas,
quem diria!

A noite foi boa...
ainda estou embriagada,
só posso agradecer a sua pessoa, 
e se eu disser que não quero de novo,
pode rir!
você me conhece
é deboche, é piada!



domingo, 23 de junho de 2013

Vontade Felina: gata e leoa - BDSM

Vontade de te seduzir e te deixar  ficar perdido de tanto tesão...
a mesma mulher que dança na sua frente, 
é a mesma que dança com o chicote na mão, 
é também a mesma mulher que te afaga, te segura firme pelos cabelos e quer ouvir de que você é meu:.
companheiro. 
serviçal. 
vassalo. 

Vontade de te envolver em meus braços, porém o desejo maior é de te deixar preso  a mim por vontade....


Quero-te por mim  desejoso .


Quero que de mim sinta saudade. 


Vontade de ser felina em sua plenitude...

vontade de ser gata e leoa a miúde..

Vontade de saber de você: 


Será que é capaz de suportar suficientemente este meu ser felino com estes dois lados: a gata e a leoa? 


Vontade, vontade...desejos lascivos. 

Ainda  desejo que você queira por mim ser encoleirado. 


Contudo, insiste ainda em ser bicho solto, 
 
pensa que disso não sei? 

tudo bem, sorria!
 
Você está sendo por mim extramente observado. 




domingo, 16 de junho de 2013

S.....

Senhora...

submissa...

começo a me perguntar se os títulos correspondem a essencia da pessoa ou se são apenas meros rótulos, protocolos. 

Se o Ser humano é multifacetário, com cores, dores, amores, nuances e dinamico, porque a Vida impõe tal dinamica, eu me pergunto:  
será que os títulos são mesmo para a toda existência? 

Ou

Será que somos sujeitos a mudanças? 

Será que o prazer está circunscrito em apenas um papel? 

Será que esse papel consegue dar conta de tudo que somos ou do momento que vivemos? 

não Sou dona da verdade! 

estou ciente de que não sou Santa. 

Apenas quero entender as etiquetas do universo BDSM, quero desvendar as regras, absorve-las, digeri-las do jeito que estiver mais correspondente com meu Eu. 

Sim, com meu Eu...

Por que ficar presa a expectativas de outrem? 

Por que aceitar julgamentos de decisões de um momento “S” seu? 

Será que sou feia? Será que sou Senhora? Será que sou sub? Ou Switcher? ou Sádica?

Ou 

Simplesmente será que alguém é capaz de me ver como um sujeito transeunde, em construçao que não tem fim? 

Sujeito de sentimentos, de erros e acertos, 

Sujeito que não terá vergonha em perguntar, 

que não terá constrangimento em pedir para perdoar. 

Sujeito que quer ser livre...

pois de prisão já me basta o cotidiano. 

Mas aqui, no universo dos fetiches, não!

Não aceito! 

Pois o BDSM é minha válvula de escape, 

 é o meu cortejo a insanidade. 

Portanto, cadê o libertário? 

Cadê aquele quê de  transgressor? 

De qualquer maneira, cada vivência é importante, 

e nada se perde nesta vida e tudo se transforma, já diz a lei de Lavoisieur. 

Até as adversidades contribuem na busca de nos conhecer. 

Sim, da minha vida sou Senhora. 

Sim, sou submissa do desejo de obter meu prazer.

Só sei que sou assim....

vai entender?  

Durma com um barulho desses! 

o.O


sábado, 15 de junho de 2013

Só Deus Pode Me Julgar - MV Bill

Só Deus pode me Julgar 

MV Bill

Vai ser preciso muito mais pra me fazer recuar
Minha auto-estima não é fácil de abaixar
Olhos abertos fixados no céu
Perguntando a Deus qual será o meu papel.
Fechar a boca e não expor meus pensamentos
Com receio que eles possam causar constrangimentos
Será que é isso? Não cumprir compromisso
Abaixar a cabeça e se manter omisso.



A hipocrisia, a demagogia se entregue à orgia
Sem ideologia, a maioria fala de amor no singular
Se eu falo de amor é de uma forma impopular
Quem não tem amor pelo povo brasileiro
Não me representa aqui nem no estrangeiro
Uma das piores distribuições de renda
Antes de morrer, talvez você entenda
Confesso para ti que é difícil de entender
No país do carnaval o povo nem tem o que comer
Ser artista, Pop Star, pra mim é pouco
Não sou nada disso, sou apenas mais um louco
Clamando por justiça, igualdade racial
Preto, pobre é parecido mas não é igual
É natural o que fazem no senado
Quem engana o povo simplesmente renúncia o cargo
Não é caçado, abre mão do seu mandato
Nas próximas eleições bota a cara como canditado
Povo sem memória, caso esquecido
Não foi assim comigo, fiquei como bandido
Se quiser reclamar de mim, que reclame
Mas fale das novelas e dos filmes do Van Daime
Quem vive no Brasil, no programa do Gugu
Rebolo, vacilou, agachou e mostrou
Volta pra América e avisa pra Madonna
Que aqui não tem censura meu pais é uma zona
Não tem dono, não tem dona, nosso povo ta em coma
erga sua cabeça que a verdade vem à tona.



É! Mantenho minha cabeça em pé!
Fale o que quiser, pode vir que já é!
Junto com a ralé Sem dar marcha ré!
Só Deus pode me julgar, por isso eu vou na fé !


Soldado da guerra a favor da justiça
Igualdade por aqui é coisa fictícia
Você ri da minha roupa, ri do meu cabelo
Mas tenta me imitar se olhando no espelho
Preconceito sem conceito que apodrece a nação
Filhos do descaso mesmo pós-abolição
Mais de 500 anos de angústia e sofrimentos
Me acorrentaram, mas não meus pensamentos
Me fale quem... Quem!?
Tem o poder... Quem!?
Pra condenar... Quem!?
Pra censurar... Alguém!?
Então me diga o que causa mais estragos
100 gramas de maconha ou um maço de cigarros?
O povo rebelado ou polícia na favela?
A música do Bill ou a próxima novela?
Na tela, seqüela, no poder corrupção
Entramos pela porta de serviço
Nossa grana não


Tapão ... só pra quem manda bater
Pisando nos humildes e fazendo nosso ódio crescer (CV)
MST, CUT, UNE, CUFA (PCC)


O mundo se organiza, cada um a sua maneira
Continuam ironizando
Vendo como brincadeira, besteira
Coisa de moleque revoltado
Ninguém mais quer ser boneco
Ninguém mais quer ser controlado
Vigiado, programado, calado, ameaçado
Se for filho de bacana o caso é abafado
A gente é que é caçado, tratados como Réu
As armas que eu uso é microfone, caneta e papel
A socialite assiste a tudo calada
Salve ! Salve ! Salve!
Oh ! pátria amada, mãe gentil
Poderosos do Brasil
Que distribuem para as crianças cocaína e fuzil
Me calar, me censurar porque não pode fala nada
É como se fosse o rabo sujo falando da bunda mal lavada
Sem investimento, no esquecimento, explode o pensamento
Mais um homem violento
Que pega no canhão e age inconseqüente
Eu pego o microfone com discurso contundente
Que te assusta uma atitude brusca
Dignificando e brigando por uma vida justa
Fui transformado no bandido do milênio
O sensacionalismo por aqui merece um prêmio
Eu tava armado mas não sou da sua laia
Quem é mais bandido? Beira mar ou Sérgio Naya?
Quem será que irá responder
Governador, Senador, Prefeito, Ministro ou você?
Que é caçado e sempre paga o pato
Erga sua cabeça pra não ser decepado


É! Mantenho minha cabeça em pé!
Fale o que quiser pode vir que já é!
Junto com a ralé Sem dar marcha ré !
Só Deus pode me julgar por isso eu vou na fé !


Como pode ser tragédia a morte de um artista
E a morte de milhões, apenas uma estatística ?
Fato realista de dentro do Brasil
Você que chorava lá no gueto ninguém te viu
Sem fantasiar realidade dói
Segregação, menosprezo é o que destrói
A maioria é esquecida no barraco
Que ainda é algemado, extorquido e assassinado
Não é moda quem pensa incomoda
não morre pela droga, não vira massa de manobra
Não idolatro a mauricinho da Tv, não deixa se envolver
Porque tem proceder Pra que? Porque?
Só tem paquita loira, aqui não tem preta como apresentadora
Novela de escravo a emissora gosta mostra os pretos
Chibatadas pelas costas
Faz confusão na cabeça de um moleque que não gosta de escola
E admira uma intra-tek, Clik-clek Mão na cabeça
Quando for roubar dinheiro público
Vê se não esqueça
que na sua conta tem a honra de um homem envergonhado
Ao ter que ver sua família passando fome
Ordem e progresso e perdão
Na terra onde quem rouba muito não tem punição


É! Mantenho minha cabeça em pé!
Fale o que quiser pode vir que já é!
Junto com a ralé Sem dar marcha ré!
Só Deus pode me julgar por isso eu vou na fé !

sexta-feira, 31 de maio de 2013

Relacionamento e Querer bem (em meio ao contexto Fetichista)

Não vou falar em Amor, porque há muitas definições, cada um considera de forma diferente. Eu tenho as minhas referências, mas prefiro apenas dizer  "querer bem". 

Hoje, falei com um moço querido por mim, que conheci aqui numa rede social. Temos amizade, brincamos, zuamos muito um com o outro. Alias, foi através de nossas conversas, especialmente nas brincadeiras, que percebi que ele não é exatamente submisso e sim Switcher, aquele que gosta de dominar e de ser dominado. Porém, isso não o torna para mim nem melhor nem pior. Ele é único, que figuraça! Adoro ouvir sua risada!


Não demorou muito tempo para ele me chamar de "Minha Dona", de "Dominna" (meu antigo nick).  Adoro ouvi-lo me chamar assim, pois não é algo automático ou uma espécie de "etiqueta BDSM / Fetichista".  


Porém, tenho os pés no chão e por mais que goste de ouvi-lo me chamar assim, sei que na prática não conseguiria ser sua Dona Companheira de fato, por mais desejo que ambos tivessem, pelo simples fato que moramos distantes um do outro. 


Não tem jeito, querido (a) leitor (a), relacionamento é via de mão dupla, é ambos estarem dispostos, comprometidos em dar certo (até quando? Não sei! -  "que seja eterno enquanto dure").  


Relacionamento é diálogo, é rir e chorar, abraçar (sim! eu gosto de abraçar, aconchegar, alguns me chamam de Felícia, desenho animado da Disney). 


Relacionamento é compartilhar. Mas como compartilhar a distância?


Mas uma coisa eu tenho como certa: o meu bem querer. 


Hoje, conversando com este amigo, ele me falou do desejo dele em colocar o lado DOM dele para fora, do contato com uma submissa e ver no que vai dar. Mas ele estava preocupado com a nossa amizade e com a parte dele submissa, que me elegeu como Dona. 


Ahh...não vou negar ao ouvir tudo isso que, por alguns instantes, meu coração ficou com ciumes e triste. 


Mas eu o quero bem! É isso que importa! Desejo que ele seja feliz, realizado! 

Então, foi espantar os sentimentos negativos e dizer: 

Vai...


Não é ir porque estou dispensando uma amizade, 

Não é ir porque não o quero mais como submisso. 

É simplesmente: 


Vai ser feliz! 


Porque sempre estive com os pés no chão e desejo o melhor. 


Querer bem é deixar o outro livre para seguir seu caminho, sem colocar nenhum peso na consciência do outro...nada de chantagem emocional! 


Querer bem foi deixar claro que a amizade continua firme e forte!


Querer bem é torcer pelo outro. 



(putz...para tudo há uma primeira vez...até para escrever tudo isso com lágrimas...c´est la vie). 


quinta-feira, 23 de maio de 2013

Pecado


Tenho estado com uma vontade intensa de chicotear...
....e também fazer uma pequena experiencia:  chicotear com um chicote em cada mão. Depois, usar um chicote longo trancado. Ouvindo uma musica deliciosa de fundo.

Bem egoista, confesso, ficar me deliciando no prazer de chicotear. Ahhh...como queria  alguem que nao tivesse nenhuma restriçao em ser chicoteado!
Alguém que aceitasse, desejasse ter sua pele marcada, com uma recordacao do meu prazer.

Hoje, me falaram de juizo, porem eu quero perde-lo e apenas ter bom senso e o prazer.

Ai, como me excito ao bater, como me desmancho em tesao no spanking e como seria maior o meu prazer em saber que esse homem também sente-se inebriado em sentir sua pele ardida e só com isso se importar..

Nao quero juizo essa noite. Dispenso!

Quero chicote, dar tapas, arranhoes, mordidas, beijos longos, ver a pele dele de palida ficar vermelha, ...me tornar uma pintora de uma arte abstrata talvez .....

....deixando meus riscos e rabiscos numa pele masculina, ver o corpo dele reagir entre fugir e ficar.....delicia...e ouvir "me morde, Leoa"....ai, como quero!

Sim, peça, mais do que pedir, implore pela minha mordida...

hummmmmm.....

Raios!

Mas nada disso eu tenho!

Frustação!

A mente navegar nesse desejo sem juizo, nada recatado e nao poder concretiza-lo...

quer saber?

isso é mais do que frustração, já é pecado!





domingo, 31 de março de 2013

Multiplos olhares para o tempo pascal

Páscoa, século XXI.

Lá vem a associação com chocolates,
que gostoso!
Lá vem a associação com coelhinhos,
que bonitinho!

Lá vem a enxurrada de comerciais na televisão com chocolates e coelhinhos.
Puro consumismo!

Há os irmãos que não comem carne vermelha, somente peixes.
Eu respeito!

Não vejo mais filmes nos canais televisivos anunciando filmes com a história de vida do Filho do Homem, daquele que veio para os doentes (como eu) e não para os sãos
Por que será?
Cansaram de apresentar? Cansamos de saber e não nos interessa mais, pois já "sabemos" a história.
Estranho!

Mas são os mesmos canais  televisivos que em nosso cotidiano explora de alguma forma o sofrimento alheio, mostrando chagas emocionais e sócio-econômicas das pessoas.
Por que  que ainda tem gente que não se cansa de ver isso?
Estranho!

Este é o nosso tempo,
valorizam a miséria humana,
recusam a miséria humana,
porque é pesado demais saber que também temos nossas chagas.

Carregamos cruzes,
algumas nós mesmos providenciamos, jogamos nas costas e vamos levando como pudemos.
outras jogaram em nós. 

E os açoites?
Ainda há açoites na carne?!
Quem vai saber quem está sendo açoitado neste momento em pleno século XXI no mundo?
O que sei é que algum momento fomos dilacerados.

TODOS em algum momento foram dilacerados,
alguns se revoltam,
alguns se culpam,
outros simplesmente, quando a dor é grave demais, encontra forças para dizer:
 "Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?" (Mateus 22:46)

Cruzes, açoites da vida, dor...

Jesus veio a este mundo e marcou a Humanidade,
Liçoes preciosas, desafiadoras, que provocam até hoje reflexões, discussões e mudanças.
Realmente, não foi à toa que era chamado de Rabi.

E eu olho para mim mesma, para minha vida,
diante dELE e me vejo como a mulher que chora aos pés dEle e nada fala.
apenas joga perfume e seca os pés com os próprios cabelos.

Olho me vejo pequena diante dEle,
 e me vejo tão pecadora.
O que sei é que se não fosse a Misericórdia de Deus, já teria sido consumida,
é a fé que me diz isso,
é a fé que me faz ter o coraçao sensível para ver o Paixão de Cristo.

Venham todos, vamos celebrar!
Sepulcro está vazio,
a morte foi vencida!
Alegrai-vos, Ele ressucitou!
 

Eis o meu olhar para este momento pascal.


 

domingo, 17 de março de 2013

Tempestade e Pipoca

Vivo um momento de tempestade e tenho tentado pensar no "para quê" dos acontecimentos, embora tenha ciência de que não saberei o propósito de tudo isso, simplesmente porque meus olhos são limitados.

Contudo, quero crer que todas as coisas concorrem para o bem...(Romanos 8: 28)
Com esta linha de pensamento, me lembro agora de um amigo que disse:

"O milho só se torna pipoca depois de passar pelo fogo"


Compartilho mais esse pensamento para os que são CARNE-OSSO-ALMA como também sou.

Dedico a você que também está em um momento de transformação de milho para pipoca....

E tentando olhar tudo com bom humor,
eu pergunto:

Eu gosto de pipoca doce e você?

Aquele abraaaaaaaçooooooooo!






terça-feira, 12 de março de 2013

Tempestade e Mateus

Estou passando por um momento de tempestade, que ao mesmo tempo que gostaria de verbalizar tudo o que sinto, de toda minha angustia e, ao mesmo tempo, não tenho vontade de falar nada sobre o que está acontecendo comigo. Quero ficar no silêncio. 

Só quero pensar que acima da tempestade, acima das nuvens escuras, o Sol está brilhando forte. Só quero pensar que "só por hoje" senti meu coraçao em paz e agradecer por isso.

Pq falo tudo isso justamente aqui?
Pq sou carne-osso-alma.


Não sou só fetiches, assim como vc, que resolveu ler o que escrevi aqui  também não é. Somos muito mais do que achamos que somos, mais do que acham de nós.


"Olhai os lírios dos campos (...) Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal.
Mateus 6:34.



domingo, 10 de fevereiro de 2013

A procura de um submisso na capital do RJ - Desabafo

Estou a procura de um homem submisso, solteiro ou divorciado, que more na capital do Rio de Janeiro, para encontros ocasionais, sempre dentro do contexto SSC.
Quem se interessar, dê uma olhada no meu perfil, onde poderá saber sobre as práticas que eu gosto, e mande mensagem.

------------------------------------------------------------------...
--------------

Foi mais ou menos isso o que coloquei em dois grupos de uma rede social fetichista e num blog de uma amiga daqui do face. Recebi algumas mensagens, gostei de ter "reencontrado" no virtual algumas pessoas. Mas vejo que há muito homens, não digo que são todos, que simplesmente projetam uma pessoa que não sou eu, que querem alguém para realizar seus fetiches sem ao menos buscar saber quem eu realmente sou.

Eu faço o movimento contrário a isso. Embora tenha meus desejos, feitches, eu faço questão de conhecer a pessoa, de saber se há afinidade ou não. Gosto de observar o seu grau de interesse, se haverá trocas de mensagens e, dessa forma, poder verificar se a "conversa flui".

Trago aqui um exemplo do que eu não curto e que percebo com MUITA frequência nas redes sociais em que estou inserida:

Certa vez, em um grupo daqui de Podolatria, estive conversando com uma menina sobre tudo isso mencionei até agora. Tanto eu quanto ela discordamos quanto ao caminho percorrido na podolatria. Admiraçao, tesão pelos pés, eu entendo. Mas vc não buscar conhecer a Dona daqueles pés? É estranho para mim. É estranha essa lógica que a pessoa "adora seus pés", porém não sabe nada a seu respeito. Uma adoração em que vc é uma parte, você é simplesmente um pé e ponto final!

Não há uma disponibilidade de se conhecer a pessoa em sua integralidade.

NÃO! EU ME RECUSO A ISSO! Por mais que eu goste de ter meus pés beijados, massageados...eu sei que isso numa festa é dificil de acontecer de conhecer a pessoa, mas fora dela, numa rede social, pq as pessoas não podem se dispor a conhecer o outro?

Pode ser que esteja sendo antiquada, alguém que parou em algum lugar do século XIX ou na primeira metade do século XX ou sendo romântica, o que sei que é muito estranho alguém "adorar seus pés sem te conhecer".

Essa mesma linha de pensamento vale em relaçao a minha procura por um submisso. Sei muito bem como me sinto, quando estou fazendo uma simples cena com alguém que eu conheço e tenho certa intimidade e quando estou com alguém que conheço muito pouco numa festa. Não é e nunca será a mesma coisa.

Será que estou "chovendo no molhado" ao falar tudo isso?

Considero que o fetiche é uma parte da pessoa e não o todo. Certo dia, uma pessoa conhecida me falou: "o fetiche é um tempero, mas nós não comemos APENAS o tempero!". Eu vejo dessa forma, quero conhecer e quero que a pessoa me conheça. Não quero ser dona da verdade. Cada um tem seu ponto de vista. Sei que fazer esse movimento requer disponibilidade, tempo e paciência. É uma construçao que gera confiança, intimidade, amizade.

Eu pergunto: quer coisa mais bacana que vc conversar com uma pessoa, ainda que seja pela net, que te pergunta "como vc está?' - não pq seja algo de praxe, mas porque simplesmente ela se preocupa com seu bem estar? Quer coisa mais legal que vc trocar mensagem com uma pessoa, em que vc pode falar do seu cotidiano, compartilhar alguma alegria ou até alguma preocupaçao e essa pessoa corresponder ao que vc verbaliza? Isso se constrói e não tem preço!

Talvez, alguém que por acaso leia tudo isso diga: "ah, vc quer um relacionamento (leia-se namoro)". Eu digo: eu quero conhecer pessoas, eu quero fazer amizades, boas e saudaveis parcerias! Se por acaso um namoro surgir, por que iria recusar, se há uma troca tão boa com alguém que vê em mim muito mais do que um pé ou uma executora de um fetiche?

Tesão é bom, delicioso não ouso negá-lo, mas ele é tão efêmero. Valorizo e vou primar sempre pelas pessoas, pelo humano.

Quem tem sensibilidade e olhos para ler, que leia!

Que alguém neste mundo me entenda.

Sendo assim, com o coraçao tranquilo, digo que NÃO procuro mais submissos.
Obrigada pela atençao e aos que mandaram mensagens para mim.
Desejo sorte a todos.

Aviso a todos que o procuro é muito mais do que submissos, procuro PESSOAS (CARNE-OSSO-ALMA) QUE POSSUAM PENSAMENTOS CONVERGENTES AO MEU.

Desejo sorte a todos.

Um abraço de ursa parda!

domingo, 3 de fevereiro de 2013

o DOM de conquistar

Certo dia, fiquei pensando na submissão.
Começo a considerar que, na realidade, não escolho, sou escolhida.
Nessa lógica de pensamento, eu também escolhi.

Um DOM, um amigo.

Os olhos se encontraram naquele ambiente festivo e a simpatia foi quase imediata.

GIFT!

Teve o DOM de me encantar com seu olhar e jeito tranquilo, sem rudez. Um Lord.
Assim, me senti à vontade e uma sensação intrigante de que eu o conhecia.

Da onde? 

Sei lá!

Só sei que dele gostei!
Sinto admiração, respeito e carinho.

Se tivesse um dia em que a submissão me enlaçasse por completo, escolheria este DOM, por ter uma maneira única de encantar.

Mas hein?! Hã?!

Hummm....

Submissão a parte,
viva a nossa amizade,
que é um gift!

Beijos luxuriantes, lascivos e nada respeitosos em você,

DOMINUS!





sábado, 26 de janeiro de 2013

Nas caminhadas de uma vida fetichista,

percebi que...

ao final, não estou escolho, sou escolhida.

a cada dia que passa não vejo - nem quero - separar o submisso do ser humano.
(Salve MestreRicardo!)

não quero que se esqueçam de que tenho sentimentos e desejos, pois é...sou humana também.

 não quero mais me forçar a nada. É muito pesado aceitar a projeção, as expectativas dos outros!

HOJE não tenho desejo de procurar, apenas quero me entregar ao curso das águas e fechar os olhos.

domingo, 13 de janeiro de 2013

O Tempo

Eclesiastes 3


Para tudo há uma ocasião, e um tempo para cada propósito debaixo do céu:
 
tempo de nascer e tempo de morrer, tempo de plantar e tempo de arrancar o que se plantou,
 
tempo de matar e tempo de curar, tempo de derrubar e tempo de construir,
 
tempo de chorar e tempo de rir, tempo de prantear e tempo de dançar,
 
tempo de espalhar pedras e tempo de ajuntá-las, tempo de abraçar e tempo de se conter,
 
tempo de procurar e tempo de desistir, tempo de guardar e tempo de lançar fora,
 
tempo de rasgar e tempo de costurar, tempo de calar e tempo de falar,
 
tempo de amar e tempo de odiar, tempo de lutar e tempo de viver em paz.
 
 

Fast Food, Fast Love

Só tenho hoje um questionamento para expor:

Conhecer o outro e conquistar confiança requer tempo...
QUEM será que tem disponibilidade para isso em tempos de "fast food, fast love"?

é a pergunta que não quer calar!


Qual a sua disposição hoje para isso?!