domingo, 30 de dezembro de 2012

Máscara de Ferro


Pela internet, em meus passeios em chats e redes sociais, vejo tantos com máscaras.
Máscaras internas e não adornos. Expressam algo que não são, intenções diferentes do que verbalizam, mas se esquecem de que uma hora os gestos gritarao mais do que suas palavras!

Por que não ser você? Por que não ser sincero com você mesmo? Por que não ser sincero com o outro? A pior dor é a da mentira.
A sensação de tempo perdido é lastimável.

E a única coisa de positiva nisso tudo é chegar ao final e ter a desilusão!
Mas como ver a desilusão como algo bom? Ora, porque o próprio nome diz: você sai de uma ilusão. É melhor um remédio amargo que resolva o problema que ficar fugindo dele.

Enfim....vou deixar a letra desta música da Pitty que tem tudo a ver com o que falei e com as pessoas que no cotidiano ficam em seus conflitos internos, se sufocando para mostrar algo que não são, que não está em sua natureza, mas por questões de agradar a família e se adequar ao que a sociedade espera delas, acabam tendo que usar sua máscara de ferro!
Máscara
Pitty
Diga, quem você é me diga
Me fale sobre a sua estrada
Me conte sobre a sua vida
Tira, a máscara que cobre o seu rosto
Se mostre e eu descubro se eu gosto
Do seu verdadeiro, jeito de ser
Ninguém merece ser só mais um bonitinho
Nem transparecer, consciente, inconsequente
Sem se preocupar em ser adulto ou criança
O importante é ser você
Mesmo que seja estranho, seja você
Mesmo que seja bizarro, bizarro, bizarro
Mesmo que seja estranho, seja você
Mesmo que seja
Tira, a máscara que cobre o seu rosto
Se mostre e eu descubro se eu gosto
Do seu verdadeiro, jeito de ser
Ninguém merece ser só mais um bonitinho
Nem transparecer, consciente, inconsequente
Sem se preocupar em ser adulto ou criança
O importante é ser você
Mesmo que seja estranho, seja você
Mesmo que seja bizarro, bizarro, bizarro
Mesmo que seja estranho, seja você
Mesmo que seja...
O meu cabelo não é igual
A sua roupa não é igual
Ao meu tamanho, não é igual
Ao seu caráter, não é igual
Não é igual, não é igual, não é igual
I had enough of it
But I don't care
I had enough of it
But I don't care
I had enough of it
But I don't care
I had enough of it
But I don't care
Diga quem você é, me diga
Me fale sobre a sua estrada
Me conte sobre a sua vida
E o importante é ser você
Mesmo que seja estranho, seja você
Mesmo que seja bizarro, bizarro, bizarro
Mesmo que seja estranho, seja você
Mesmo que seja bizarro, bizarro, bizarro
Mesmo que seja estranho, seja você
Mesmo que seja bizarro, bizarro, bizarro

Pra ser sincero

Para os que magoaram e  usaram de palavras e atos gentis pra destilar falsidade.

O veneno está sendo diluído dia após dia, porque a vida me ensinou e me empurra a superá-lo.

O veneno vai embora junto com 2012.

São lições que a vida deixa. 

Então, para que guardar mágoa?

Não vale a pena, pois isso é dar relevância demais a essas pessoas, que NADA merecem de mim.

Amar si mesmo é também superar as mágoas, é também se libertar das lembranças ruins para poder sarar as feridas.

Ao pensar neste assunto, ao relembrar os fatos deste ano, me lembrei dos trechos da música "Pra ser sincero " - Engenheiros do Hawaí.

"Pra ser sincero não espero de vc mais do que educação, beijo sem paixão, crime sem castigo, aperto de mãos, apenas bons amigos (...) Um dia desses, num desses encontros casuais, talvez, a gente se encontre, talvez encontre explicação, talvez diga, minha amiga, pra ser sincero, prazer em ve-la até mais..."




sábado, 22 de dezembro de 2012

Que seja um Natal Feliz de Reflexão


Enquanto alguns estão inebriados com os brilhos da árvore de natal da Lagoa Rodrigo de Freitas,
Enquanto outros estão andando atabalhoados nos shoppings,
Enquanto outros tantos estão na preocupação com o que vão servir no dia de Natal para seus convidados,
Enquanto crianças são estimuladas a fazer pedidos a papai noel e depois tiram foto com o bom velhinho.

E as casas estão com suas árvores de natal.
Há 2 mil anos, um menino nasceu numa manjedoura, pois não havia para Maria e José, seus pais, hospedaria.
Manjedoura que fica numa estrebaria, lugar aonde ficam cavalos, vacas....
Alguém pode imaginar esse lugar? e o seu cheiro?
Menino, Filho Unigênito, nasceu neste lugar!
Apenas os pastores das proximidades do lugar e depois os Reis Magos foram visitar o menino Deus, Jesus, o Emanuel, o Deus Conosco.
E assim, olho o Natal. Sem pisca piscas, sem árvores, com pânico de estar num shopping lotado, sem tanta preocupação com o que vai ser o alimento (porque graças a Ele e conforme ensinou, quando adulto:
"Não se preocupem com sua própria vida quanto ao que comer ou beber; nem com seu próprio corpo, quanto ao que vestir. Não é a vida mais importante que a comida? (....) Observem as aves do céu: não semeiam nem colhem nem armazenam em celeiros; Contudo, o Pai Celestial as alimenta. Não têm vocês muito mais valor do que elas? Quem de vocês, por mais que se preocupe, pode acrescentar uma hora que seja à sua vida?"
É...quantas lições Ele deixou, quantas eu espero mais do que compreender, aplicar!
Que esta época, seja para você única, de busca de comunhão com Ele, deixando de lado os barulhos exteriores.
Afinal, Ele é o aniversariante! Celebremos na simplicidade do coração.
Feliz Natal para todos.
Espero que gostem deste louvor:


Amazing Grace - tradução:
Maravilhosa Graça
Maravilhosa Graça, Oh quão doce é o som
Que salvou um miserável como eu
Eu estava perdido, mas agora eu me encontrei
Eu estava cego, mas agora eu vejo.
Quando estivermos lá há 10 mil anos,
Brilhantes como a luz do sol,
Não teremos menos dias para cantar louvores a Deus
Do que quando, quando começamos no princípio
Por muitos perigos, labutas e armadilhas,
Eu já passei
A graça de Jesus me trouxe seguro, tão distante,
E a graça me levará para casa.
Maravilhosa Graça, Oh quão doce é o som
Que salvou um miserável como eu
Eu estava perdido, mas agora eu me encontrei
Eu estava cego, mas agora eu vejo.

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Domina e Slave - Retrato 3X4 - É preciso Relaxar


 Domina diz ao seu Slave: 
Você quis se entregar aos meus caprichos de tão boa vontade.
Venha, porque agora seu corpo é meu. 
Venha, porque agora meu desejo é o seu. 
Preciso relaxar!
Ande, slave, vá para aquele X, que é o seu lugar!
Obediente e em silêncio ele vai, fica de costas para ela, imaginando o que lhe espera. 
Calmamente, os olhos do escravo são vendados pela Domina. 
E ela diz: 
Vendo seus olhos e desperto seus sentidos, seus desejos.
Domina, pega o chicote de tiras, começa a perceber a respiração do seu brinquedo um pouco mais acelerada. 
Era o suspense.  
Ele escuta o barulho dos saltos da Sua Domina indicando que está próximo dele. 
Em seguida, ele sente o cabo do chicote passeando pelo seu corpo...o limite do passeio foram as ancas...roçar o cabo naquelas ancas atraentes. 
Com um leve sorriso no rosto, Domina arranha as costas do seu slave, enquanto observa a respiração dele, arrepios e o sexo começando a se excitar. 
(silencio)
Slept! primeira chicotada nas costas...
Slept! segunda chicotada na bunda....
Geme, escravo, geme!
risos de prazer da Domina entre uma chicotada e outra que surgem....
Ela o chicoteia até considerar que está suficientemente tranquila e satisfeita. 
Depois, ela senta confortavelmente num sofá e fico observando ele preso naquele X, suor pingando, sexo denunciando o prazer que sentia e alguns espasmos que surgiam, enquanto bebe taças de vinho suave bem gelado, conforme tanto gosta. 
Após alguns longos minutos, slave volta a ouvir o barulho dos saltos altos na sua direção.
finalmente é solto...
Venha! e me agradeça, escravo!
Imediatamente, ele se coloca aos pés da Sua Senhora e agradece com fervor. 
Enquanto, Domina em pé se sente satisfeita, fez tudo o que lhe dá prazer. 
Finalmente, relaxada após um dia estressante. 

domingo, 25 de novembro de 2012

Me adora !





Me Adora

Pitty

Tantas decepções eu já vivi
Aquela foi de longe a mais cruel
Um silêncio profundo e declarei:
Só não desonre o meu nome!
Você que nem me ouve até o fim
Injustamente julga por prazer
Cuidado quando for falar de mim
E não desonre o meu nome
Será que eu já posso enlouquecer?
Ou devo apenas sorrir?
Não sei mais o que eu tenho que fazer
Pra você admitir
Que você me adora
Que me acha foda
Não espere eu ir embora pra perceber
Que você me adora
Que me acha foda
Não espere eu ir embora pra perceber
Perceba que não tem como saber
São só os seus palpites na sua mão
Sou mais do que o seu olho pode ver
Então não desonre o meu nome
Não importa se eu não sou o que você quer
Não é minha culpa a sua projeção
Aceito a apatia, se vier
Mas não desonre o meu nome
Será que eu já posso enlouquecer?
Ou devo apenas sorrir?
Não sei mais o que eu tenho que fazer
Pra você admitir
Que você me adora
Que me acha foda
Não espere eu ir embora pra perceber
Que você me adora
Que me acha foda
Não espere eu ir embora pra perceber

Where are you, my lovely slave?! - Desabafo dos desencontros..


Quantas vezes eu procuro e não te vejo, não te toco, mas o desejo é pulsante e sigo em frente.
Quantos desencontros eu já vivi até agora, minha alma anseia por você.
Quantas vezes, eu fico a te querer, para te afagar, te proteger ...
Quero sentir no seu olhar o temor do suspense do meu próximo ato, quero ver o prazer estampado no seu corpo, na sua respiração arfante e no seu sorriso e ouvir seus gemidos, 
Quero ter o privilegio de ter seu coração entregue a mim.
Será meu! Meu! 
Não por causa de um estalo chicote ou pelo tapa dado em sua bela face, meu pequenino...será meu porque seu coração estará algemado ao meu.
meu companheiro, meu cúmplice, my lovely slave!
meu coração está te querendo, meus pés estão te esperando pra receber seus beijos e a sua adoração. 
minhas mãos estão te procurando, estou rugindo por dentro e te desejo cada dia mais.
Você já está nos meus sonhos!
Vem, porque já nos desencontramos demais e estou cansada de guerra.
Sua Domina.

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Viagem à Essência Para Viver

Conforme havia dito no dia 16/05/12, no texto "A mão que bate", resolvi retomar o tema da violência doméstica com o presente texto. Torço para que ele de alguma forma provoque uma reflexão, escutem com carinho a música do Jonh Lennon.


Infância sofrida.
Muitos ais ela já teve nesta vida.
Muitas lágrimas da sua face se escorreram.
Quantas vezes os sentidos aguçados pela dor da violência, temeram as mãos que, ao invés de afagar, bateram.
Quantass vezes a dor foi silenciosa, contida e, na tentativa de esquecer, foi negada por ela mesma. tudo para cumprir a ordem pela mae dada.
Justamente de quem se espera uma palavra de apoio, aconchego e terna.
Ao contrário, escutava da voz materna:

"Engole o choro! Cala a boca! Tem que sofrer calada!"

De tanto a carne sofrer e isso ouvir: começou a se perguntar: não valho nada?
E se não valho nada, que utilidade no mundo tenho?
Começa então a olhar para seu eu e para seu corpo com um certo desdenho.

Em um cotidiano de ameaças, agressões físicas, xingamento, quantas vezes ouviu exigências acima das próprias forças e do seu entendimento!
Como não olhar para si mesma com insegurança, diante de tanta materna ordenança?
 
Mas que triste criança!
Acuada ficava com medo das reprimendas, sem exagero, emergia nela um desespero e um desejo de morrer em alguns momentos, para nunca mais ser alvo de tantos tormentos.
 
Como acreditar nesta triste realidade?
Ser alvo daquela que inacreditavelmente me pôs ao mundo! - se pergunta.
Por isso, não duvido nem por um segundo:
A MATERNIDADE É CONSTRUÍDA, NÃO É BIOLÓGICA!
 
A pior marca que a menina poderia herdar ficou na lembrança e, apesar dos anos, ainda carrega dentro si um estado de alerta, um desejo quase irracional de se afastar da presença materna.
 
O tempo passa...
 
A menina chegou aos 30!
Ela foi se recompondo, reconstruindo num anseio de conhecer quem é de fato.
 
Difícil caminhada!
Como se desplugar da violência que nela foi perpetrada e ser ela mesma em essência?
Conhecer e reconhecer seus valores, opiniões, seus imaginários e desejos secretos.
 
Ao final, a mulher olha para si e se considera como uma moeda: com cara e coroa, nem melhor nem pior do que ninguém. É o que essa vivente apregoa!
 
A mulher se avalia e se enxerga em processo de reconstruçao que não sabe nem quando nem onde acabará.
Só sabe apenas que nesse processo é necessário do peso das recordaçoes amargas se desvencilhar e que viajar à essência é preciso para viver!

 

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

R.I.P

Que tristeza observar que o vivente nasce com seus 5 sentidos perfeitos e possui inteligencia, mas tem olhos e não energa, tendo ouvidos, prefere não escutar.
O costume da dor é tão grande e nela também se compraz, que não consegue valorizar um afago que nele se faz.
Pobre vivente que prefere se deixar ao bel prazer das ondas, das tempestades e dos humores dos outros do que tomar para si as ...
rédeas da própria vida.
Vivente insensato! Prefere estar em meio ao turbilhão de pensamentos que o denigrem.
Pobre alma, que se entorpece num mundo de quase faz-de-conta que criou para si mesmo e nesse entorpecimento, não percebe caminha para a beira do abismo.
Só posso lhe dar lenços para que suas lágrimas possa enxugar e, quem sabe, ajude a estancar seu sangue, quando seu corpo se estilhaçar por sua própria escolha!
R.I.P

 

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Right to be wrong - Joss Stone

Essa música tem tudo a ver com meu momento atual....
Espero que curtam como estou curtindo. 
Um cheiro! 


quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Rosas e Espinhos


Quer viver num mar de rosas?
Que interessante!
Só não se esqueça de que as rosas têm espinhos!
Ou você  acha que veio a esta vida a passeio? 



sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Domina Est Leone


Entenda de uma vez por todas, cão:

Seus gestos, suas atitudes GRITAM mais que suas palavras por mais belas e inflamadas que elas sejam!
Portanto, não se iluda, porque eu fico atenta quanto à coerência entre o que se fala e o que se faz! 


terça-feira, 25 de setembro de 2012

Velas e Uma Suplica Apaixonada


Quem disse que as velas servem apenas para iluminar o ambiente?
Sei que são úteis para quebrar a escuridão.
Digo, porém, que elas também possuem outra serventia: a de despertar o prazer sádico a cada gota que repousa numa pela submissa e masoquista.  Cada gota uma leve dor e um sorriso de ambos os parceiros.
Contudo, não falarei  neste momento de dor nem de prazer.

Encontrei no facebook essa imagem cujo título era Tango.
Assim sendo, colocarei aqui uma breve súplica apaixonada do parceiro desta dança.
Eis a súplica...

"Assim disse ele, enquanto dançava com sua dama:
Oh, querida, não fiques longe de mim nem por um segundo!
A tua chama é a minha chama! 
Por ti, meu pavio se esvai!
Somente tu tens a capacidade de me fazer derreter por completo! 
De todos os que te rodeiam a te galantear, quero me tornar teu predileto! 
Eu te peço que me ouças de todo coração...
Saibas que sem ti, sem teu afeto, em minha vida nada parece ter razão! 
Rogo-te, Amada Senhora, não saias de perto de mim!
Tenhas compaixão, pois estou me consumindo de tão apaixonado!
Suplico a ti, Senhora, que ao menos dai-me um pouco do teu olhar e da tua atenção."

Ah, como seria bom ouvir isso!
Afinal de contas, também sou romântica! E como falta romantismo e galanteios na atualidade!
É simplesmente lamentável!
Que ninguém fique chateado com meu jeito, sou uma apenas uma pintora de palavras, que as jogas sem grandes pretensões. Possuo apenas com um único compromisso: a de emitir sentimentos, imaginação e opiniões.


sábado, 22 de setembro de 2012

Curta Vassalo!


Quero-te aqui, perto das minhas botas!
Quero-te contemplar e ver como tu, vassalo, se comportas. 
Olhe-me servil, dócil, gentil...pegue meu vinho tinto bem gelado. 
Dar-te-ei um misterioso sorriso e me agradeça por me servir, vassalo! 


sábado, 1 de setembro de 2012

Inverso

Deixa de ser o que a sociedade espera dela...
entre as quatro paredes, será o que tiver vontade, 
você é meu e minha - ela diz. 
quero ouvir de você: sim, Domina, sou seu, sou sua...
...lá vai o vivente se desnudar...
....deixar as expectativas sociais de lado para ser submisso, ativo e fêmea
Já te disse, cão, não quero coisa efêmera! 
Sim, minha Domina, minha Rainha.
Curve-se aos meus pés! 
Silenciosa e respeitosamente acata mais um capricho da Domina. 

É o inverso que emerge, 
não o basta ser aquele homem ativo, 
ser feminino e passivo também fascínio nele exerce. 

É um papel inverso, 
num mundo particular, eis que ele se desvencilha do terno e para vestir uma peça do campo estritamente feminino. 

Encontrou quem o compreendesse, 
Esbarrou com uma vampira sedenta pelo prazer de dominá-lo assim, 
Uma Domina que se compraz das duas faces que ele possui. 

É o inverso! 
E a Domina se sente ativa e altiva, 
com sua máscara, meias, botas e espartilho. 
A brincadeira do inverso dos papéis precisa continuar!

E assim, nessa fantasia, quanto mais ele geme, mais ela gosta. 
Quanto mais ele se entrega, mais Domina ela se sente. 
Quanto mais ele geme, mais ela o xinga e o bate,
...e a cada estalo de tapas nas ancas daquele vivente que a Domina ouve, maior é o prazer ela sente. 

Este é o inverso, 
depois dos prazeres, cada um vai satisfeito para seus lares.
Retorno para casa, retorno a vida comum.....

Na rua, Domina com sorriso discreto nos lábios se recorda de cada momento, fazendo uma reflexão sobre o que é imposto pela sociedade aos indivíduos e se pergunta num quase lamento:  
quantos homens têm coragem para verbalizar este desejo latente? 
e quem tem coragem de estar neste universo?  

E ainda saboreando as sensações, Domina absorta em seus pensamentos, diz para si mesma:  
Ahh...este inverso!
Eu gosto, não nego e 
confesso....

Os melhores pontos erógenos - "Top de linha"

Nosso corpo é um campo vasto de pontos erógenos, porém nos concentramos em alguns apenas, talvez por serem os mais falados pelos amigos, pela mídia e, claro, aqueles que experimentamos. 
Infelizmente, em tempos de "fast food", não são priorizados os melhores pontos erógenos, justamente aqueles que requerem tempo e investimento. 
Faço questão de deixar aqui para posteridade aqueles que eu considero os melhores pontos, os "top de linha", se liguem aí: 
- Inteligência;
- Bom Humor;
-Sedução. 
Invista, persista e só resista o suficiente para aguçar o desejo do outro.

domingo, 19 de agosto de 2012

Entorpecimento e Fome

O barulho ensurdecedor na rua,
passadas apressadas na faixa de trânsito,
pessoas falando e gesticulando em seus celulares touch,
que tiram fotos, fazem vídeos, podem até ajudar a matar a saudade, mas não substituem em nada a presença da pessoa querida.

Vejo computadores conectados às pessoas,
sim, vislumbro o caminho da dependência.

Tudo é "now", tudo é "para ontem",
tudo é para ser imediato.
é "fast food",
but "why can I not feel good?!"

E seguimos neste ritmo acelerado,
não contemplamos nada,
Você consegue me escutar?
Não, eu sei que vc me ouve, mas está disposto a me escutar?

Vejo um processo desertificação dos sentimentos,
será que isso é provocado pelo medo de sofrer?
será que fruto do imediatismo e do olhar utilitário?
será tudo isso junto?

O que você acha?

Vejo sede e fome de acolhimento e de carinhos singelos, mas que passam  batido, devido a um desejo quase incontrolável de se possuir um corpo quente, encontros lascivos, fortuitos...

Ai de mim que vivo neste mundo,
ai de mim que me entorpeço nesse cotidiano,
porque sei que no fundo é de afeto que grita a minh´alma clamando desejosa e faminta.

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Pensamento de vários dias...

Aquilo que foi retirado de você, que é hoje motivo de choro, pode não ser a jóia que neste momento considera e sim um pedregulho que só servia para seu tropeço.

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Surra de Chicote =D



Surra de Chicote
Hoje não calo, não fumo
Não digo em voz alta
Pego chicote de ouro
Com fios de nylon
Quero ver seu corpo pra fazer
Uma arte, um prazer
Corpo nu de você
Virgem ser, pra querer
Uma surra de chicote, de chicote
De chicote pra sofrer
Fecha os olhos
Sonha um carro, um sexo
Não me cortei com canivete
Mas vi sangue a escorrer
Virgem ser, pra querer

segunda-feira, 30 de julho de 2012

A paquerada com mesoclise e a onomatopéia

Você manda uma letra bacana (ou na cara de pau - como queira):
"Tratar-te-ei com todo carinho e atenção" . 
Pow, uma frase com mesóclise nos dias atuais é supimpa, voces não acham?! 
 Contudo, a resposta foi uma onomatopéia do grilo:
"gric, gric, gric" - silêncio Putzzzzzz.......
agora eu pergunto:
"Pode isso, Arnaldo?!"
Ninguém merece!
É, leoa, tenha paciência.
Haja paciência!
Dias melhores virão!
Tem que vir!

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Domina e Vassalo - Cotidiano amoroso

Entrando na suíte, no início de mais uma noite, em face ao pedido do companheiro, Domina fala rispidamente:
-O que você quer?
-Acha que estaria no meu nível?
-Não! Você é meu serviçal, meu vassalo!
-Aos meus pés agora! - ela ordena.
Submisso que é ele simplesmente se cala e se ajoelha aos pés da Domina.
Ela o observa, um sentimento de prazer a invade de ter sua ordem obedecida.
Ela adora ver suas ordens satisfeitas não importam quais sejam. O que lhe importa é sentir prazer em dominar.
De joelhos, ele fitou os olhos dela, admirando sua figura e o misto de doçura e despotismo.
Estavam eles inseridos num intenso prazer nessa fantasia.
Ela diz severamente:
-Quero me banhar e você, vassalo, fará o serviço que lhe cabe.
Conhecendo seus desejos, com certo temor de desagradar sua dona, ele prepara a banheira com água em temperatura agradável, morna e coloca sais de banho.
Enquanto isso, Domina o observa e inspeciona se o serviço está sendo feito a contento com um chicote na mão.
Tudo preparado, o vassalo com os olhos para baixo a avisa que o banho está pronto. Ela ordena:
-Dispa-me, serviçal!
Rapidamente, meio trêmulo no misto de temor e prazer, ele cumpre sua tarefa, resignado ao seu destino: o de agradar sua soberana.
Ele a despe e fica boquiaberto com a beleza da sua Senhora. Não era o corpo em si que mais o extasiava, mas a sensualidade que dela exalava.
-Minha Amada, minha Senhora - ele pensava.
Ela sentiu a temperatura da água. Estava do seu gosto. Ela entrou e se sentou confortavelmente na banheira. Sorriu e pensou: está valendo a pena o seu querido criado.
Enquanto isso, o vassalo aguarda a próxima ordem, em silencio respeitoso.
Ela olha para seu criado e diz:
-Agora entre nesta banheira e me ensaboe, cão!
Silenciosamente, o serviçal entra na banheira de bermuda. Não havia sido autorizada sua nudez.
Tudo ao seu tempo e conforme minha ordem - ela sempre dizia num misto de elegância e autoritarismo.
A Senhora se deliciou com o cheiro dos sais, com a temperatura da água que relaxava seu corpo e de cada toque do seu criado pelo seu corpo. Eles se deliciavam com o clima de Dominação e submissão.
Ele se comprazia em se sentir ordenado, acuado, embora fosse um alto executivo, um homem de status. Entre quatro paredes, o prazer era dela em primeiro lugar sempre.
Após o banho demorado, ela disse: me seque!
Sabendo do gosto da sua adorada, ele sai da banheira para pegar a toalha e secá-la. Ele segura a mão de sua dama, se apoia nele e ela sai da banheira.
Ele a seca cuidadosamente, até que ela pega a toalha dele para secar o rosto. Satisfeita, joga a toalha no chão, pisa firmemente para secar seus pés, cujos dedos estavam pintados de cor clara como era de hábito.
Ela veste sua lingerie preta, olha para ele e diz:
- Ande, trate de se enxugar, do que me serve você doente?!
Sim, ela se preocupava com ele, porém não tinha por hábito expressá-lo, guardava seu bem querer para si e seus desejos fora dos padrões convencionais. Ela o desejava como homem e como vassalo. Antes dele, Domina não tinha tido seus desejos e prazeres tão satisfeitos como ao lado dele.
Ele pegou do chão a toalha usada pela sua dama, se secou, tirou a bermuda e ficou de roupa íntima. Sabia que só poderia se despir, se ela assim o quisesse. Assim que se conheceram, foi difícil aceitar o jeito dela, abrir mão de sua postura de liderança, mas com o tempo, a paixão já o havia dominado. Ele sabia que o querer dela não poderia ser contrariado.
Sentada na cama a fitar o corpo dele, ardia nela os desejos os comuns entre homem e mulher e os não convencionais. Como apreciava transitar entre o baunilha e as práticas D/s.
Amantes que com o tempo se afinaram, se realizavam e se compreendiam.
Para sociedade, ele era seu namorado e na alcova mais do que homem, seu vassalo.
Como sair de tal teia?
Acaso queriam sair?
NÃO!
Ambos se sentiam satisfeitos, peças de um quebra cabeça que se encaixaram.
Ele se aproximou dela. Domina esfregou seus pés na face, no peito do seu vassalo e sorria. Ele sabia que o sorriso dela era sincero.
Ele não resistindo aos pés daquela Senhora de pele trigueira, massageou, beijou, lambeu e sugou cada dedinho. Ela sentia um prazer único em todas essas carícias.
Quando finalmente ela permitiu que ele ficasse despido, Domina desceu seus pés delicados do peito até o sexo do seu amado, que segurou firme aqueles pés soberanos e, tal como movimentos de uma transa, ele se movimentava seu sexo entre os pés daquela senhora.
Ela o olhava e se comprazia com os gemidos e com os lábios que hora e outra ele mordia. Logo, ele chegou ao orgasmo e o derramou aos pés de sua Senhora.
Justo ele, quem diria, homem acostumado a mandar, manifestar seus rompantes de autoritário, mas com ela se apresentava totalmente ao contrário.
O inverso: o prazer era aos pés da sua Domina. Às vezes, de forma literal.
Após o prazer, ela o ordenou que a limpasse e que a servisse da forma que ela mais gostava. Sedento foi em busca do sexo dela e ficava o tempo que fosse necessário, o tempo que ela quisesse para ver sua Senhora satisfeita. Como lhe apreciava ouvir sua Dona gemer....
Só após sua Senhora ter obtido seu prazer. Eles ficaram em silêncio, ela chamou para perto dela e ficaram abraçados na cama.
Agora, eram namorados, um admirando o outro de forma doce, trocando sorrisos e cafunés.
Quem diria que a vida entre quatro paredes tudo pode ser tão diferente do que é instituído?!
Assim eram a Domina e seu Vassalo, um preso ao outro por bem querer...
Felizes assim deste jeito, quem teria coragem de julgá-los?
abraçados, dormiram sossegados.

Pense nisso...

Inteligência e instinto de sobrevivência o farão seguro,
não será sua arma nem sua coragem.

domingo, 15 de julho de 2012

Rosa




Nada tem de novidade, mas uma hora nos esquecemos disso:

Não há amor sem dor assim como não há rosa sem espinho.


segunda-feira, 9 de julho de 2012

Retirada Estratégica

Há momentos que a melhor coisa a ser feita é ficar quieto, em silencio. Nem sempre bater em retirada é sinal de covardia e sim instinto de sobrevivência.
Acho que farei em breve, pq estou sensível demais.
é triste olhar o deserto...

terça-feira, 3 de julho de 2012

Curtas musicais e uma frase para os fakes...

"não se afobe, nao... que nada é pra já, o amor nao tem pressa, ele pode esperar em silencio...no fundo do armário..." Ele não tem pressa, pq está vindo de jegue, ordinário!
Tô com fome, não entende? Tô com pressa!
Vem logo, pleura!
pronto, falei...
suave e delicada como a minha pele sempre!
kkkkkkkkkkkkk
------------------------------------------------------------------------

"é o amor que mexe com a minha cabeça e me deixa assim, que me faz lembrar de vc e esquecer de mim"
Ahrã, já que é assim, vou fazer vc se lembrar de vc, te "pego com meu chicote de ouro e fios de nylon"...me aguarde.
Encare isso como um favor que te faço...
(risos sádicos e deboche no ar)
--------------------------------------------------------

Não importa se é fake, o que devemos nos preocupar é com o que esse fake faz, morô?!

Um dos males do século XXI

Jogarei palavras tal como estivesse jogando tintas numa tela e ver no que pode dar....



Não reparem, minha inspiraçao está fraca,
minha antena está com muitos chuviscos.
Isso aqui é desabafo.
Vamos lá.


Estado emocional ruim que te invade, tira o viço, o brilho dos olhos,
desejo de isolamento,
nada de contentamento,
uahhhhhhh......(bocejo)....tudo tão sonolento,

Tolices, levante-se, isso é passageiro!
Mas o tempo passa e vc nao vê esse descontenamento ir embora.
Um tormento.
A vida real está sem graça?
Vida virtual é a estratégia.

Bobagem, levante-se isso nao leva a nada, há um sol e um céu azul lá fora.

Vc está enganada,
estou melancólica demais,
deixe-me entorpecer
deixe-me no "cara livro", no orkut, no MSN, no chat um pouquinho mais...

Não, isso não é certo!
O que acontece comigo?
Como posso sentir dias nublados em mim, se meus olhos enxergam que há um sol e céu de brigadeiro da janela?!
Preciso fazer alguma coisa!
Mas o que?

O que?

Vou pra um lado e para outro, mudo de estado....
....federativo, mas nao o estado de espírito?
como pode?

Não! Não posso aceitar!

Juro, tentarei arrancar das minhas entranhas a vontade de viver e investir em mim..
Caso o contrário, não quero viver por viver
na realidade, não viverei, estarei morta em vida,
só que não teria tido alguém para espalhar minhas cinzas nas águas do Arpoador.
Se for para me sentir morta em vida, desejarei ardentemente oficializar a minha extinção.

Parece dramalhão, né?

Não é, não, amigo!

Quem dera!
Isso é  vida real, é a maldita depressão!

Um dos males do século XXI.

"mas obrigado por pensar em mim" - Via Láctea - Legiao Urbana.